A MISERICÓRDIA QUE HABITA EM NÓS

encontro religiososO papa Francisco fala: “Não existe nenhum pecado capaz de deter a misericórdia de Deus”.

 

Misericórdia é a junção de miserere (ter compaixão), e cordis (coração). “Ter compaixão de coração” significa ter capacidade de sentir aquilo que a outra pessoa está sentindo, aproximar seus sentimentos dos sentimentos de alguém, ser solidário com as pessoas.

 

Ter compaixão do coração, ser com o outro, colocar-se no lugar do outro. Não existe misericórdia sem o outro. Neste dia da Vida Religiosa Consagrada, ousemos ser misericordiosos em um mundo individualista e egoísta. Ousemos ser para o outro a presença do amor de Deus que liberta e traz para o meio.

 

No último dia, 06 de agosto, mais de 1.200 franciscanos religiosos e religiosas da Primeira Ordem Franciscana, da Terceira Ordem Regular, Irmãs Clarissas, leigos da Ordem Franciscana Secular adultos e jovens, finalizavam o Capítulo Nacional das Esteiras, reunidos na casa de nossa Mãe Aparecida no Estado de São Paulo, rezando, refletindo e assumindo posições sob a luz do Tema: Levar ao mundo a Misericórdia de Deus. Foi um tempo de descobertas e percebemos que não existe mala que caiba a misericórdia de Deus, não há mochila, porque para levar a misericórdia de Deus ao outro é preciso ter um coração aberto à graça da misericórdia. Levar ao mundo a misericórdia de Deus requer de nós uma grande humildade para que o outro apareça e nós sejamos apenas um instrumento nas mãos misericordiosas de Deus. Requer de nós um amor infinito capaz de chegar a todos.

 

 Em um mundo em que os que estão à margem são invisíveis, um mundo onde o que brilha aos nossos olhos são as belezas que nos encantam, onde a pobreza é fétida e o mendigo é retirado da rua não para ser cuidado, mas para que as ruas fiquem limpas, esse mundo precisa da misericórdia de Deus. Esse mundo necessita da misericórdia que habita em nós. Precisa do amor que nos faz deixar tudo e nos consagrar a Deus.

 

O mundo é muito cruel com aqueles que não possuem posses. O mundo precisa, urgentemente, de pessoas que, como Jesus, percebam a fragilidade do ser humano e se sensibilizem, pessoas que tenham compaixão e levem o irmão necessitado para alguma estalagem.

 

Deixemos nosso coração sempre aberto à bondade, ao amor, e à misericórdia de Deus, para que o outro, ao se aproximar de nós, sinta a essência de Deus. Que a misericórdia que habita em nós se estenda a todos e todas que carecem dela.

 

Irmã Liliane Araujo Costa, OSF